Iporaenses mostraram no Pará o talento em preparar comida tropeira

11/06/2019
julio-peixoto-cozinheiro11062019.jpg

A equipe Queima do Alho de Iporá esteve presente na 4ª prova de marcha e 1º Queima do alho em Redenção, em 07 e 08 de junho, propondo a divulgação da cultura tropeira, que por muitos anos foi a maneira utilizada para transportar gado de uma região para outra Brasil a fora e nessa lida os peões de boiadeiro, passavam até meses no estradão. Ao referir a essa cultura, onde um dos principais meios de transporte era lombo de cavalos, burros e mulas, sabe-se que nessa jornada a comida, para o prepara das refeições, também era transportada no lombo do animal nas chamadas Broacas, compartimento utilizado para guardar os mantimentos, durante a lida.


O evento foi intitulado Queima do Alho devido o cheiro do alho na banha de porco quente, e esse aroma característico do alho para a “ PEÃOZADA”. Reza a lenda que a havia começado a queima do alho. Essa cultura renasceu no município de Iporá-Go, dentro do evento do Encontro de Muladeiros a 12 anos, em que os competidores deveriam preparar uma culinária típica tropeira com tradicional arroz carreteiro, feijão gordo, paçoca de carne de sol, onde todos ingredientes não podem ser perecíveis, para não perder a originalidade da tradição. E essa cultura faz nascer memórias de outrora, em que viu-se ressurgir a cultura tropeira, da comida feita na trempe fogão bem próximo do chão, na banha de porco, na carne defumada. Eittaaaa comida boa.


Essa tradição ao longa das edições vem conquistando, os organizadores, as comitivas, como também o público em geral, verdadeiros apaixonados, pela cultura na raiz tropeira, comida simples que dá muita sustança. A qual tem ganhado uma proporção, de padrão reconhecido nacionalmente. Nessa confirmação, a Equipe Queima do Alho na pessoa de Dolorita Neta e Waldijan Terêncio, Juntamente com Associação de Muladeiros do Oeste Goiano-AMOG na pessoa do Presidente Willian e Júlio Comida Tropeira, nas pessoas de Júlio César e seu filho João Pedro Bueno, fez presença nesse importante evento na região norte do País, em que foi mostrada uma tradição que ressurgiu no município de Iporá, com característica de competição durante o evento do muladeiro, passando essa tradição de pai para filho. A Queima do Alho, tem seu “mascote” o jovem João Pedro Bueno Peixoto de 13 anos de idade, que tem demonstrado verdadeira paixão pelo estilo tropeiro e a comida típica da Queima da Alho, pois auxilia com dedicação nos preparos dessa culinária e também estilo tropeiro de se vestir.


A partir da participação na competição da Queima do Alho em Iporá-Goiás e municípios como Amorinópolis-Goiás, Paraúna de Goiás, Rio Verde-Goiás, o qual despertou o interesse pela comida tropeira, para cozinhar para amigos e hoje ser torna um trabalho, para Farmacêutico Júlio César Peixoto, o qual tem conciliado as duas atividades, valorizando o resgate das raízes e cultura tropeira.


A equipe expressou agradecimentos pelo convite recebido e prontamente atendido ao Sindicato Rural de Redenção no Pará nas pessoas do Dr. Walteir e Marcinho, a Equipe que proporcionou a divulgação da Queima do Alho de Iporá-Goiás na pessoa da Roberta e apoiadores, ao Frigorífico Rio Maria grande Parceiro e a empresa  Agrosol, nesse importante evento que agregou a Exposição Agropecuária, 4º Prova de Marcha, 1ª Queima do Alho, dentre outras atrações.


Os iporaenses disseram que o sentimento é de gratidão à Deus, que os protegeu e deram a eles a honra de conhecer e conviver com pessoas tão especiais, esses dias em Redenção, município acolhedor. A previsão de voltar a aquele evento.

O que achou dessa Notícia?
13 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente