Este 27 de agosto é o último dia de funcionamento do bar mais antigo dentro os atuais em Iporá

26/08/2021
cantina-central-em-197726082021.jpg

Cantina Central em 1977

Esta sexta-feira, 27 de agosto, é a última oportunidade para alguém entrar na Cantina Central, na esquina da Rua Esmerindo Pereira com a Avenida Pio XII e fazer uma compra como cliente de bar: refrigerante, cerveja, cachaça, salgados, etc...  A data marca o último dia de funcionamento do bar que é o mais antigo, destes de Iporá que ainda estão em funcionamento. O Bar Marabá, outro muito antigo, fechou as portas neste 2021. 


Restava a Cantina Central como tradicional ponto de encontro dos da cidade de Iporá e dos de municípios vizinhos que ali marcam como ponto de referência para se reencontrarem. O bar fecha as portas para ceder o endereço para outra atividade, a ser entregue a outro empresário. 


Não se sabe quando a Cantina Central iniciou suas atividades. Mas em 1977 já era um consagrado endereço, com grande clientela. Os donos atuais compraram o bar do José Domingues de Araújo, o Ziquinha, que depois faria carreira bem sucedida como dono de churrascaria. 


Naquele ano de 1977, quem comprou foi o senhor Dureis José Garcia. Desde então é a família dele que tem atendido a clientela naquele endereço.  


Em 1983 o senhor Dureis José Garcia deixou a Cantina Central com os filhos e mudou da cidade. O filho Jesus José Garcia assumiu a direção e tocou o bar até 1996, quando decidiu mudar para Goiânia. Na capital, atuou até recentemente no mesmo segmento. 


A senhora Aparecida Alves Garcia, matriarca da família, sempre acompanhou de perto e colaborou com o trabalho dos filhos. Assim foi sua dedicação também quando o filho Sebastião José Garcia assumiu a direção, o que fez até os dias atuais. 


A reportagem do Oeste Goiano falou com Sebastião José Garcia, o Tiãozinho, que nos disse que o fechamento do bar é porque a Cantina Central era um negócio de família e, com o passar do tempo, os familiares foram se afastando, e então ele tomou a direção dela por alguns anos sozinho, mas já se sente sobrecarregado. Tiãzinho conta que, hoje em dia, com todos os filhos encaminhados para vida adulta, resolveu encerrar as atividades, para ter oportunidade de descansar. 


Perguntado sobre qual foi o melhor momento da Cantina Central, disse que foi por volta de 1983 até 1990, com melhor época de vendas. Sobre o que sempre se vendeu na Cantina Central, disse que mudou quase tudo... Por fim, não vendia quase nada do que se vendia antigamente, em uma época quando se implementou uma mini mercearia e que depois foi retirada. Mais recentemente, já se vendia produtos novos no mercado. Por exemplo, crédito para celular. A Cantina viveu os modismos de épocas. Por exemplo, teve a época movimentada dos fliperamas. O proprietário relembra a Cantina como ponto estratégico para se assistir o desfile de muladeiros, desfile da pecuária, desfile de 07 de setembro, de aniversário de Iporá. Na década de 80, as pessoas ficavam lá na Cantina Central, aguardando as sessões de filme no "Cine Riviera", que era ali nas proximidades.


Afirma Tiãozinho que agradece a oportunidade de ter participado da vida de tantas pessoas, em diferentes momentos ao longo desses 44 anos, quando milhares de pessoas de Iporá e região passaram pela cantina central nesse período, e a cada cliente e amigo que esteve no local, ele manifesta gratidão.


Para esse tradicional endereço comercial haverá a mudança da RB Moda Country, empresa emergente no comércio de Iporá, de propriedade de Ruberley Brígido e que, atualmente, está na esquina em frente.



Cantina Central de anos atrás e no momento atual

O que achou dessa Notícia?
18 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente