A arte e o cerrado: músico de Iporá harmoniza natureza com música clássica em projeto cultural

21/08/2020
augusto-moura-no-youtube21082020.jpg

Paisagens exuberantes e clássicos de nossa música. Esta é a combinação que faz Augusto Moura

Em canal do Youtube, o artista iporaense Augusto Moura interpreta os clássicos da música em meio à exuberante paisagem do Cerrado goiano


Música clássica e o Cerrado, será que combinam? Em um primeiro momento tal ideia pode parecer não dar liga, mas o músico iporaense, Augusto Moura, prova o contrário em iniciativa artística que mistura música erudita com as belas paisagens do cerrado goiano.


O projeto “Clássicos no Cerrado” pode ser visto no canal do Youtube que leva o nome do músico (Augusto Moura). A iniciativa é uma homenagem ao bioma, a Iporá e seus artistas, que passam por momentos difíceis em meio à crise sanitária causada pelo novo coronavírus (Covid-19). As interpretações de clássicos da música universal, tendo como cenário de fundo as belezas naturais do Cerrado, é um alento para que possamos nos desconectar, mesmo por breve período, desses difíceis momentos de pandemia.


CLIQUE AQUI PARA VER O CANAL NO YOUTUBE


Ao todo serão seis gravações de música clássica em diferentes paisagens naturais próximas de Iporá. Três vídeos já podem ser assistidos. No primeiro, por meio do violão clássico, Augusto Moura interpreta a cantata barroca mais famosa de todos os tempos: “Jesus, Alegria dos Homens”, do alemão Johann Sebastian Bach.


No segundo vídeo, o compositor brasileiro Heitor Villa-Lobos é reinterpretado em seu “Prelude N º 1”, tendo ao fundo o Morro do Macaco e um inspirador pôr-do-sol. Gravado às margens do Rio Araguaia, no terceiro vídeo da série, o artista iporaense revisita “Für Elise” (Para Elise) do compositor mais aclamado de todos os tempos, o alemão Ludwig van Beethoven.


A ideia


De acordo com a Raisa Leão, entusiasta e diretora do projeto com Augusto Moura, o “Clássicos no Cerrado” vem ao encontro da tendência atual de consumo de músicas e outras manifestações culturais pela internet. “Nessa fase de pandemia as pessoas estão consumindo muita arte virtualmente. E, por que não, fazermos isso com os nossos artistas locais?”, questiona.


A ideia de misturar a arte com a natureza veio da própria Raisa, que teve experiência parecida em terras estrangeiras. Quando morava nos Estados Unidos, de 2014 a 2018, a iporaense mantinha um blog de viagens com dicas de destinos à locais turísticos com belezas naturais. O projeto teve tanto êxito que terminou virando um livro e uma exposição fotográfica dessas locações de bela natureza, em Washington D.C, a capital federal americana.


“Assisti a um vídeo caseiro do Augusto no qual ele tocava Bach, e achei incrível. A forma como ele interpreta a música clássica é única, melódica e muito pessoal. Queria mostrar isso ao mundo, tendo como cenário as magníficas paisagens do nosso Cerrado, de cores alaranjadas do sol, com árvores frondosas e belos rios como o Araguaia”, afirma Raisa.


Em relação ao futuro, tanto Augusto Moura quanto a Raisa, não sabem ao certo para qual direção o projeto artístico caminhará. O que podem dizer até o momento é que, a repercussão em relação aos primeiros vídeos, tem sido bastante positiva.


Seja qual for o futuro, o importante é a valorização dos artistas de Iporá que muito contribuíram à cultura goiana e brasileira. Berço de nomes como a do poeta Pio Vargas (1964-1991) e do renomado escritor premiado nacionalmente, Edival Lourenço, Iporá tem imensa tradição e vocação para as variadas expressões artísticas e precisa prestigiar e apoiar a criatividade da cultura feito localmente.


A iniciativa de Augusto Moura é uma daquelas ações culturais que não podemos deixar passar despercebida. Vale reservar alguns minutos do dia para apreciarmos a boa música com vistas às belas paisagens de nosso magnífico e privilegiado Cerrado.



Canal no Youtube já mostra belos momentos de música associada a paisagens

O que achou dessa Notícia?
32 votos
*As manifestações de internautas não representam a opinião deste jornal e são de responsabilidade de quem as emitiu.

    Comente